Informativos

  • Recomendações para Sistema de Cobertura de Telhados
    Para auxiliar no planejamento das obras, a Cerâmica disponibiliza CD-Rom – Sistema de Cobertura com Telhas Cerâmicas que permite a consulta de dados técnicos dos modelos de telhas, transporte e embalagens.

    ​Outro aspecto importante no CD é a oportunidade do construtor realizar o projeto do telhado dentro do software.

    Há possibilidade de calcular caimentos e ainda elaborar a estrutura em madeira ( como vigas, caibros e ripas ) e metal, além de outras possibilidades de visualização.

    É possível ainda desenvolver projetos de telhados e visualizar as coberturas em formato 2D E 3D.

          
  • Dicas importantes sobre telhas
    A telha de barro é um produto milenar. O uso de telhas cerâmicas no país ocorre desde o descobrimento do Brasil. Inicialmente, as telhas eram conformadas manualmente com mão-de-obra escrava, onde estes as moldavam nas suas pernas, de acordo com o depoimento de antigos oleiros. Por mais que surjam novos produtos para coberturas, geralmente são mais caros ou de menos eficiência.

    Testada e comprovada na Europa através dos séculos. No Brasil, cidades como Olinda, São Luis, Recife, Ouro Preto, ostentam antigas coberturas com telhas cerâmicas.

    Com o decorrer dos tempos ganhou aperfeiçoamento tecnológico, diminuindo seu peso por m² permitindo assim mais segurança à sua cobertura.
    De um produto rústico, transformou-se ganhando maior resistência e beleza.

    Tipos de Telhas:

    Colonial: Esta telha caracteriza-se por apresentar o mesmo tipo de peça para a capa e o canal (largura iguais), ou seja, capa e bica iguais.

    Colonial (Paulista): Caracteriza por apresentar a capa com largura ligeiramente inferior ao canal, conhecida como colonial redonda.

    Plan: É uma variação da telha tipo capa e canal, que apresenta formas retas, ou seja, capa e bica iguais. Conhecida como Planzinha.

    Portuguesa/Americana: Caracteriza-se por apresentar capa e bica unidas, corpo arredondado, conhecida como Telha Dupla. Utiliza-se menos telhas por m².

    Plan (Colonial): Caracteriza- se por apresentar a capa com largura ligeiramente inferior ao canal, que apresenta forma reta, conhecida como Colonial Quadrada.

    Cumeeira: Conhecida Também como telhão ou Copão. Caracteriza-se por apresentar extremidades com medidas diferentes, servindo para fazer a união das quedas do telhado.

    Controle de Qualidade:
    O controle de fabricação durante todo o processo resulta na produção de produtos com:

    • Dimensões padronizadas e uniformes. 
    • Boa resistência à flexão. 
    • Absorção reduzida. 
    • Coloração uniforme.

    Durabilidade:
    Devido às excelentes condições de preparo da argila, através de máquinas que retiram o ar e todas as impurezas, aliadas a sua composição e altas temperaturas de queima, obtém-se uma maior durabilidade dos produtos.

    Conforto Térmico:
    A Cerâmica é considerada um dos materiais de menor calor específico, ou seja, de difícil propagação. Isto significa que o calor oriundo do ambiente externo demora para se dissipar no telhado e conseqüentemente para se propagar no ambiente interno, conservando assim uma temperatura sempre estável. Os produtos são queimados a uma temperatura de aproximadamente 1000 ºC, o que lhes garante uma excelente condição de impermeabilização.

    RECOMENDAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA TELHA COLONIAL:

    OBSERVAÇÕES:

    • A montagem da Telha Portuguesa e Colonial começam de baixo para cima e da direita para a esquerda.

    • As medidas das distâncias entre ripas são referenciais; por isso faça o ripamento com a telha no local.

    • Devido as características do produto cerâmico, pode ocorrer variações de tonalidade nas telhas.

    • A tonalidade de um lote pode diferir de um lote posterior, logo é bom evitar compras complementares.

    RECOMENDAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA TELHA PORTUGUESA:

    1º PASSO - Planejar o telhado
    Para evitar a necessidade de corte da telha, faça o cálculo da largura e do comprimento do telhado com base na largura útil e comprimento útil da telha.

    2º PASSO - Galga
    A galga recomendada para as telhas Portuguesas é de 29 cm, mas, para o melhor desenvolvimento das atividades aconselha-se esperar que as telhas estejam disponíveis na obra, para que o ripamento seja feito com uma galga correta.

    3º PASSO - Instalação das telhas
    Colocar a primeira fileira horizontal na largura de todo o telhado, sempre da esquerda para a direita.   

    4º PASSO 
    Instalar as telhas faixa vertical na lateral esquerda, começando de baixo para cima. Seguir com a colocação das fileiras verticais seguintes.

    IMPORTANTE
    As telhas devem ser colocadas com um ângulo de inclinação minimo de 35%. Para o correto alinhamento, verificar se os dois pinos da telha estão encaixados na ripa.

    5º PASSO - Instalação da Cumeeira
    Para a instalação da cumeeira, devemos fazer o ripamento conforme sugere a figura acima. Dessa maneira, as telhas ficam próximas, permitindo uma boa instalação de cumeeira. O emboçamento, deve ser feito com argamassa fraca de cimento, chenfrada para dentro, evitando a exposição às intempéres.

     
  • Tudo o que você precisa saber sobre Tijolos
    ​Utilizados desde 4.000 A.C. pelo homem. Não se sabe exatamente a época e o local de origem do primeiro tijolo. Possivelmente foram os romanos os primeiros a utilizarem o produto na forma que conhecemos hoje, registrada através das ruínas desta civilização que dominava o processo de queima da argila.

    Presume-se que a alvenaria tenha sido criada a cerca de 15.000 anos.

    O registro mais antigo do tijolo foi encontrado nas escavações arqueológica em 
    Jericó, Oriente Médio, no período Neolítico Inicial.
    A unidade de alvenaria (tijolo) era uma peça grande em forma de pão, seca ao sol, pesando em torno de 1kg. Nestas unidades de barro. conformadas a mão, se encontram marcados os dedos do homem neolítico que as elaborou.

    Tipos de Tijolos:

    Bloco de Vedação: Destinado a execução de paredes que suporta o peso próprio e pequenas cargas de ocupação (armários, pias, lavatórios, etc), com 6 ou 8 furos na vertical.
    Tijolo Laminado: Caracteriza-se por apresentar 21 furos. Destinado principalmente para assentamento de acabamento à vista.
    Tijolo Laminado Grande: Caracteriza-se por apresentar 6 furos, destinado à execução de assentamento de acabamento à vista. Destinado a execução de paredes.
    Tijolo Decorativo: Conhecido também como Cobogó. Caracteriza-se por apresentar desenho decorativo vazado no centro da peça, possibilitando após assentamento maior ventilação no ambiente interno.

    Peças Cerâmicas:

    Lajota p/ Forro: Peça cerâmica que apoiada em vigotas de cimento, serve como forração para receber concreto.
    Lajota p/ Piso: Peça cerâmica com formato quadrado, destacada para revestimento de piso.
    Lito (Casquilho): Peça cerâmica em forma de lâmina de azulejo, utilizada como revestimento de parede, disfarçada de tijolo aparente.

    Propriedades Técnicas

    • Leveza (Decréscimo do custo das fundações). 
    • Isolamento térmico e acústico. 
    • Propicia a construção racionalizada. 
    • Simplifica o detalhamento de projetos, facilitando a integração dos mesmos. 
    • Diminuição do desperdício dos materiais (componente, argamassa de assentamento e reboco). 
    • Decréscimo na espessura de revestimento (embuço e reboco). 
    • Canteiro de obra menos congestionado e limpo. 
    • Facilita a prumada das paredes. 
    • Regularidade de formas e dimensões. 
    • Arestas vivas e cantos resistentes. 
    • Inexistência de fendas, trincas, cavidades, etc. (Massa homogênea). 
    • Cozimento uniforme (produzir som metálico quando percutido).